Skip links

Porque é que o SEO é importante para o seu negócio?

O que é o SEO: 

SEO significa Search Engine Optimization e tem como principal objetivo tornar os sites mais apetecíveis para os motores de pesquisa, trabalhando as palavras-chave selecionadas no conteúdo do website para que este fique melhor posicionado nos resultados orgânicos e sucessivamente ganhar mais destaque no mundo digital.

Porque é que isto é importante para um negócio?

Sabia que segundo a Google Portugal 92% dos portugueses usam os motores de pesquisa para tomar as suas decisões de compra?

Sabia que 90% das pessoas que fazem pesquisas no Google clicam apenas em resultados que aprecem na primeira página deste motor de pesquisa?

Todas as marcas querem ver os seus websites em primeiro lugar, quando pesquisado num motor de pesquisa. Para isso é necessário que o Google valorize a qualidade e o conteúdo do website da empresa.

Para tal é necessário otimizar o site, fazendo uso do On-Page SEO e do Off-Page SEO. O On-Page SEO corresponde ao interior das páginas (headlines, estrutura da página, website responsivo, mobile marketing, ter conteúdo único e relevante, trabalhar links dentro do site, utilização de palavras-chave, entre outros.), e tem como objetivo melhorar a experiência do visitante. Assim, o visitante irá, através da utilização de palavras-chave, encontrar de forma rápida e fácil o website que pretender. O SEO Off-Page é o exterior do website, ou seja, são aspetos, considerados importantes para o Google, que não dependem apenas da empresa a quem pertence o mesmo (ligação de outros sites para o website da empresa, divulgação da marca em meios televisivos, entre outros).

Os resultados da utilização do SEO são os seguintes: 

 

  • Aumento do ranking e melhoria da performance orgânica;
  • Melhor experiência para o consumidor (website userfirendly);
  • Aumento da reputação do website que pode levara um aumento de leads e conversões.

 

Apesar de algumas ações do SEO exigirem algum tempo e dedicação, os retornos são enormes. Como em tudo no marketing digital, as palavras-chave do sucesso são: tempo, esforço, dedicação, planeamento, estratégia e criatividade, e o seu sucesso é a nossa Vitória!

Uma coisa são os direitos das marcas e outra completamente diferente são os direitos de autor.

O Artigo 17, já sofreu algumas alterações pois já não obriga as plataformas a desenvolver filtros que detestassem automaticamente todo o conteúdo protegido por direitos de autor, dizendo que basta demonstrar “os melhores esforços para assegurar a indisponibilidade de determinadas obras”. Contudo, apesar das plataformas reconhecerem que houve uma melhoria das novas diretivas, esses dizem que a única maneira de garantir com que esses conteúdos protegidos não sejam publicados, continua a ser a aplicação de filtros (que ainda não estão preparados a 100%) e que esta diretiva irá apenas gerar incerteza jurídica.

O artigo 15, menos polémico que o artigo 17, diz respeito à partilha de notícias de outras plataformas que não as originas. Assim sendo, isso obriga a plataformas como a Google Notícias ou o Facebook a pagarem taxas de hiperligação e/ou negociarem licenças (tal como no artigo 17).

Como pode ver ainda estão algumas coisas em aberto, mas por enquanto poderá continuar a partilhar livremente notícias e a criar conteúdos como sempre fez, sem mais nenhuma restrição.

Voltando à questão inicial: a internet não vai acabar, mas pode vir a sofrer algumas alterações, sendo que essas podem depender da sua aplicação à lei portuguesa.

 O que acha destes artigos? Censura ou justiça? Incerteza jurídica ou não? Queremos saber a sua opinião, comente nas nossas redes sociais.

Deixar um comentário:

Name*

Website

Comentar